segunda-feira, 17 de julho de 2017

Por o pé no mundo

Colocar o pé no mundo, no centro do mundo. E fazer do pé um fetiche, um localizador de prazer. Derramar sobre um pé, mel ou chocolate, adoçar aquele que leva-me aonde quero. Meus pés já  levaram-me embora tantas vezes.
Também fizeram-me correr... de tristezas, dissabores, problemas. E ajudaram-me a escapar, ilesa, das dores.

Pés merecem.
Pés precisam.
Sim, acariciar, beijar, lamber...

Ah, os pés são sagrados, porque ELE lavou todos os pés dos apóstolos, mas então, porque são tão esquecidos? tão desprezados?

Não esquece... pés precisam ser lembrados.





Mas colocar os pés no centro do meu mundo, não significa sacralizá-los.
Porque Pés não se moralizam.
Estão lá, aguardando cuidado. Mas se pisam poeira, se vão ao chão, não merecem perdão?


lava, porque água cura. Lava! porque água pura, limpa e purifica até a alma.


Então pés limpos merecem carinho.
Beijinhos.
Merecem estar presentes, integralmente, para partilhar e aproveitar cada sensação táctil que a vida possa oferecer.
Vai, coloca teus pés na água do mar. Na água da vida. E pisa, anda, corre... em busca da tua felicidade.





'Os teus pés (Neruda)

Quando não posso contemplar teu rosto,
contemplo os teus pés.

Teus pés de osso arqueado,
teus pequenos pés duros.

Eu sei que te sustentam
e que teu doce peso
sobre eles se ergue.

Tua cintura e teus seios,
a duplicada púrpura
dos teus mamilos,
a caixa dos teus olhos
que há pouco levantaram vôo,
a larga boca de fruta,
tua rubra cabeleira,
pequena torre minha.

Mas se amo os teus pés
é só porque andaram
sobre a terra e sobre
o vento e sobre a água,
até me encontrarem'.